Casos de conjuntivite aumentam no outono. Cuidados com higiene pessoal são fundamentais para prevenção, aponta especialista

Nenhum comentário

Inchaço nas pálpebras, lacrimejamento intenso, sensação de areia ou cisco, visão borrada, coceira e secreção mais intensa pela manhã. Esses são os principais sintomas de uma das doenças mais comuns do outono: a conjuntivite. Durante a estação - transição entre meses quentes e frios - em que a umidade do ar é baixa e a temperatura cai, aumenta a incidência dessa doença. 

Dr. Antônio Nogueira
Os dois principais tipos são a alérgica e a viral. A enfermidade é caracterizada por uma inflamação da membrana que reveste a parte da frente do globo ocular e o interior das pálpebras e pode durar até 15 dias. O médico especialista Dr. Antônio Nogueira, do CENOE Hospital de Olhos, com unidades em Ilhéus, Jequié e Porto Seguro, explica que, nessa época, as pessoas estão mais juntas e ocorrem mais infecções nas vias aéreas, como gripes e resfriados, favorecendo a transmissão da conjuntivite viral, que se dá pelo contato, não pelo ar. “A redução da temperatura faz com que as pessoas também voltem a usar aqueles cobertores que, às vezes, ficam muito tempo guardados nos armários e com maior probabilidade de terem ácaros”, afirma Dr. Antônio. A consequência disso é o aumento no número de casos de conjuntivite alérgica.

Para prevenir a conjuntivite viral, que é bastante contagiosa, é preciso evitar aglomerações e aumentar o cuidado com a higiene pessoal. No caso da alérgica, a pessoa deve identificar o que desencadeia a reação e evitar contato. Para o tratamento, é recomendado um cuidado ainda mais intenso com a higiene pessoal, compressas frias, álcool em gel, lenços de papel descartáveis e toalhas e roupas de cama individuais. "Lavar as mãos com frequência é uma excelente forma de conter a disseminação, além de não levar as mãos aos olhos", conclui o médico.


Nenhum comentário

Postar um comentário